Doula Poética

Poema bom é aquele que brinca com os sentidos ao mesmo tempo que comunica sua poesia. Eis a receita para escrever poemas com poesia. De um modo mais didático, entendamos o papel da poesia, do poema e do poeta.

Diferentemente do que muitos acreditam, poesia e poema não são palavras sinônimas. A poesia não precisa de grafia para existir: ela pode estar em um raio de sol, em um gesto ou até mesmo em fatos inusitados do dia a dia, que, pelas mãos (e olhos) dos poetas, se transformam em poemas.

Poema bom é aquele que brinca com os sentidos ao mesmo tempo que comunica sua poesia. Eis a receita para escrever poemas com poesia. De um modo mais didático, entendamos o papel da poesia, do poema e do poeta.

Diferentemente do que muitos acreditam, poesia e poema não são palavras sinônimas. A poesia não precisa de grafia para existir: ela pode estar em um raio de sol, em um gesto ou até mesmo em fatos inusitados do dia a dia, que, pelas mãos (e olhos) dos poetas, se transformam em poemas.

O papel do poeta é passar a mensagem em forma de poema, para que os outros também desfrutem dessa poesia. Como disse Manoel de Barros, “a poesia genuína é simples ou é impossível”. Explicar o poema após a declamação é como explicar a piada após seu término, perde a graça. Então, poeta, não corra esse risco se sua intenção é criar um público leitor – comunique-se.

Entenda seu papel de alquimista e menestrel das palavras, lapidando percepções e transformando-as em palavras de sentir. As pessoas querem sorrir, se emocionar, estão sedentas por beleza e a poesia é esse remédio não encontrado em farmácias, mas prescrito por poetas. O momento de criação é sagrado, se faz melhor sozinho. Respeite a sua poesia e esteja preparado para dar voz a ela. O timbre da poesia será tão lindo quanto o olhar do poeta – estimule seu olhar.

A inspiração não é como operadora de celular que te procura mais que sua família. Ela deve ser cortejada, estimulada a habitar você. Portanto, prepare o território para a sua poesia chegar. Estimule a sua inspiração assistindo bons filmes, ouvindo boa (e diversificada) música, lendo bons livros, pesquisando sites interessantes e principalmente: conversando com todo tipo de gente – não duvide, quanto mais diferentes de você, mais rica a fonte de informações inspiradoras. O que colocamos para dentro da mente e do coração se transformará na matéria-prima de nossa produção artística.
 

Doula poética

Acho pretensão de minha parte dar uma “receita” de poema – como se cada um deles não tivesse vontade própria para nascer como bem entenderem. Porém, como é uma pergunta que me fazem com certa frequência, me faço agora de doula poética e amorosamente apontarei um caminho para a dar à luz sua poesia.

Depois de sentir a textura da poesia borbulhando dentro de você, selecione algumas palavras para o esboço de seu poema, como uma chuva de ideias sobre o assunto; cortando aquelas que dão nó nos tímpanos e optando pelas que nos invadem como música boa. Com esse quebra-cabeça na mão, monte a sua ideia o mais aproximado possível do que você sentiu. E não tenha apego. Às vezes nossos melhores versos não são publicáveis pois não cabem em poema algum. São como um belo elefante branco que você ganhou para decorar sua sala de estar. Desapego é a palavra de ordem para um bom poema.


Após cuidar da coerência, da compreensão e da sonoridade de seu texto, chegou a hora da cerejinha do bolo, do grand finale. Um bom poema é como uma boa história,: tem que ter o ritmo certo para prender a atenção. Então, feche seu poema de forma interessante e espirituosa, com chave de ouro.


Você terminou o poema. E agora, José, será que ficou bom? Bom para quem? Se for encomenda, pergunte a quem solicitou, mas se for a pura expressão de sua arte, só você pode responder a essa pergunta. Sinta se a poesia que baixou em você está ali mesmo, incorporada no papel. Tenha como crivo primordial a sua sincera opinião. E saiba: esse conselho só vale para poemas livres, que não tenham uma obrigatoriedade métrica e estilística a ser cumprida como nos haicais e sonetos. Nesse caso, além da poesia, você terá que contar os versos, sílabas, entre outros deliciosos detalhes,  para manter a estrutura correta de seu poema.


Convoque para a leitura a sua humilde e genuína opinião. E nessa hora, mande seu ego passear. Leia o seu poema como se fosse de um poeta desconhecido. Se ele te agradar, mesmo não se parecendo com o que te disseram ser o “certo”, relaxe, é só seu estilo querendo falar. Escrever se aprende escrevendo. Corações à obra, poetas!

 

Texto do livro Profissão Poeta, de Marina Mara, 2016.

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar