Poesia na Internet

Sua página virtual é seu cartão de visitas. Seja ela um blog, um site, um portal ou página em rede social, ela é o espelho virtual de sua obra. E qual imagem você gostaria de mostrar a seu público leitor? Como traduzir sua poesia em imagens?

Um sítio visualmente poluído, de difícil navegação e principalmente desatualizado é um tiro que sai pela culatra. Pois, pior que não se lembrar de um artista é se lembrar da má impressão que se teve dele. Portanto, tenha boa mira. Faça uma página coerente com seu discurso e, caso queira que ela seja ainda mais acessada, faça-a útil também.

Um site útil é aquele que apresenta informações relevantes ao seu público. Que tal inserir em meio aos seus poemas, links para bibliotecas virtuais, Domínio Público, concursos literários, poetas consagrados. Mas não se esqueça do pulo-do-gato: as tags ou palavras-chave sobre o tema abordado. Essa é a maneira de você ser encontrado na internet via ferramentas de busca, como o Google, por exemplo.

Vejamos o exemplo para utilização das tags para a publicação do poema abaixo:

 
TPM

 
Tudo Parece Maior,

Transpondo Pontes, Mares…

Tempestades Pairam Momentaneamente

Transformando Paz em Martírio.

Talvez Prefira Mentir

Tentando Pulverizar o Mal,

Tentando Parecer Mansa,

Todavia, Por Mês,

Trago Pólvora na Mão,

Traindo Piedade e Misericórdia.

Tempo Prestes a Mudar…

Trincheira Psicológica que Mancha,

Temporal Passando Mansamente

Trazendo Percepção à Mente.

Texto Por Marina

 

Para esse poema, que retrata a Tensão Pré-Menstrual, as tags ou palavras-chave poderão ser: poema sobre TPM; poema sobre tensão pré-menstrual; poema para mulheres; poema de Marina Mara; #marinamara; e #poesiafeminina. Isso facilita o caminho entre você e seu leitor.

 
 

A página do Poeta

Qual tipo de página devo utilizar para divulgar os meus escritos? Depende do seu perfil. No blog o conteúdo é geralmente organizado de forma que as últimas publicações apareçam primeiro na página. Muitos blogs apresentam comentários do poeta e do público sobre o tema proposto. Porém, o usual é utilizar o blog como um diário online. Um blog típico combina texto, imagens, links para outros blogs e sítios da internet, além de mídias relacionadas a seu tema. Uma característica dos blogs é a sua página longa, na qual utilizamos a barra de rolagem para ler as postagens anteriores. Em suma, o blog é um tipo de diário virtual no qual o responsável preenche com suas atividades do dia a dia, com notícias e assuntos de seu interesse.

Já o sítio (site em português) é um conjunto de páginas da internet organizadas a partir de uma URL (de Uniform Resource Locator, em português, Localizador-Padrão de Recursos) onde fica a página principal. As páginas são organizadas dentro do sítio numa hierarquia pré-definida por você, onde temos a página inicial (home page) e várias subpáginas (seções nas quais você pode inserir poemas, vídeos, áudio, fotos, notícias, agenda). A visualização do sítio geralmente dispensa barra de rolagem, apresentando na página inicial todas as seções e recentes publicações. Em resumo, o sítio é um conjunto de páginas – normalmente utilizadas por empresas e órgãos públicos ou particulares – para a divulgação de suas atividades, possuem uma organização maior sobre o conteúdo e sua atualização não é tão frequente como nos blogs. Exemplo: www.marinamara.com.br.

Um portal é um site que funciona como um centro que aglomera e distribui conteúdos para outros sites ou subsites, seja dentro ou fora do domínio do portal. Geralmente, os portais possuem um motor de busca, um grande número de sites (canais) e blogs (colunas) com conteúdos próprios, área para notícias, fóruns e outros serviços de geração de comunidades e um diretório, podendo incluir outros tipos de conteúdos. Logo, o portal é um site composto por vários outros sites e blogs, que podem ser organizados na forma de canais, servindo como um ponto de partida para outros sites e blogs. Exemplos: UOL, Terra, IG.

 

Para que sua página tenha um número cada vez maior de leitores, separei algumas dicas, que podem ajudar:

 

1.  Publique os conteúdos de maneira interessante e visualmente atrativa. Desenvolva uma identidade visual coerente com seu discurso, ajudando as pessoas a identificarem quem é você. E de preferência, faça com um bom webdesigner – pois será seu cartão de visitas virtual;

2. Mantenha sua página atualizada. Sites com postagens antigas passam a impressão de abandono, deletando a possibilidade de uma nova visita. Isso não quer dizer que você deva publicar por publicar, divulgando conteúdos de baixa qualidade. Estabeleça seu ritmo e siga-o, para ser seguido também;

3. Não abra mão do boca-a-boca, essa é a mais antiga e eficaz mídia já inventada. Comece divulgando entre seus amigos. Esses provavelmente indicarão a outros amigos, iniciando a formação de sua rede leitora. Mas nada de enviar conteúdos a pessoas nada a ver com o tema. Isso fará de você o chato da vez. E não atire para todos os lados, metralhando com publicações as timelines alheias e enchendo as caixas de e-mails com spam – a chance de matar uma boa oportunidade de se apresentar de maneira elegante é grande;

4. Não implore acesso. As pessoas devem ser instigadas a acessar a sua página, seja por meio de indicação ou de comentários – pertinentes – publicados em outros sites ou redes sociais;

5. Construa uma imagem coerente com seu discurso, pois de personagens fake a internet já está transbordando. Nada de fazer poema sobre a preservação da fauna, por exemplo, e aparecer vestido com um casaco de pele na foto de seu perfil; o seu discurso deve ser genuíno e coerente, independentemente de qual for;

6. Divulgar não é bombardear com informação – cuidado com a superexposição. Nada de estampar o endereço de sua página em qualquer lugar, poluindo visualmente o ambiente virtual. Utilize-o em locais adequados, como na assinatura de seu e-mail, no seu perfil das redes sociais, por exemplo;

7. Troque banners virtuais com os parceiros certos, com os quais você gostaria de ter sua imagem vinculada;

8. Redes sociais são a “rádio-corredor” mais eficaz da atualidade. Procure grupos relacionados à poesia, literatura ou a temas retratados em seus poemas. Formar uma rede de leitores é como plantar. Tem que regar com cuidado para não afogar a plantinha e expô-la ao sol na medida certa. Os frutos virão no tempo certo – tenha perseverança;

9. Escreva sobre temas interessantes, que façam parte do cotidiano das pessoas. Muita gente se afasta da poesia por não se identificar com seus temas ou por não entendê-la. Você pode fazer poema sobre o que quiser, porém, os mais populares, sem dúvida, serão aqueles que fazem parte do universo dos leitores. Mas não confunda texto popular com texto pobre, capriche na “caneta”;

10. Leia bastante para escrever bem. Escrever bem é deixar seu estilo fluir, é criar sua marca sem forçar a barra. Não ache que José Saramago saiu engolindo pontos e vírgulas de seus escritos para parecer moderninho. Ele fez isso porque o ritmo de seu texto pedia – e ele humildemente obedeceu.

 

Poesia nas redes sociais

Quem nunca ouviu os termos “postar” e “tuitar” que atire o primeiro pendrive. As redes sociais são um fenômeno de comunicação e organização social sem precedentes. Configuram-se como um meio de se conectar a outras pessoas na internet a partir de perfis de usuário. Esses perfis são alimentados com informações sobre o que um usuário gosta ou não gosta, seus interesses, hobbies, profissão ou qualquer outro assunto que o usuário queira compartilhar, além de oferecerem vários níveis de controle de privacidade. O Facebook, por exemplo, permite que outras pessoas encontrem o seu perfil a partir do seu nome, seu evento ou endereço de e-mail, mas você pode proteger essas informações particulares em seu perfil de qualquer um que você não tenha aprovado anteriormente.
 

No Twitter não é diferente. Nele você pode definir que suas atualizações sejam privadas, podendo ser visualizadas apenas por quem você aprovar. A diferença primordial no Twitter é que suas publicações não podem conter mais que 140 caracteres. Os posts no Twitter são chamados de tweets, e, ao retransmití-los, eles se tornam retweets. Essa funcionalidade permite que você compartilhe o que é importante para você simplesmente clicando em poucos botões. Outra característica do Twitter é o uso das hashtags, (palavras-chave precedidas de cerquilha – "#") para representarem um tópico no Twitter, facilitando a busca por assuntos relativos a um tema. Para quem quiser seguir publicações sobre poesia, por exemplo, deverá digitar no campo de busca a hashtag: #poesia.

Existem várias outras redes além do Facebook e do Twitter como MySpace, Instagram YouTube, LinkedIn, Ning, Flickr, WhatsApp, entre outras, que servem para fins mais específicos. Faça uma pesquisa, descubra quais se adequam ao seu perfil e comunique-se. Curtiu a dica?

 

Texto de Marina Mara, do livro Profissão Poeta, 2016.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar