Poesia e Marketing

Marketing, ou mercado em bom Português, é uma “estratégia empresarial de otimização de lucros por meio da adequação da produção e oferta de mercadorias ou serviços às necessidades e preferências dos consumidores, recorrendo a pesquisas de mercado, design, campanhas publicitárias, atendimentos pós-venda etc”.

Para dar início a esse papo meio técnico mas muito útil a nós poetas produtores, vou contar uma breve história sobre criatividade, nosso coringa no momento da criação e divulgação de projetos e ações poéticas.

A função primordial do discurso publicitário é comunicar-se com seu público-alvo (target) de maneira que a mensagem realize a sua função de “vender” uma ideia, produto ou status quo. Oliviero Toscani em seu livro “A Publicidade é um Cadáver que nos Sorri” aborda uma faceta muito peculiar da publicidade: aquela que tem a missão de cumprir seu papel social, mesmo que esse não esteja diretamente ligado ao intuito imediato de realização de vendas. A grande “sacada” das campanhas da Benneton dirigidas por Toscani, por exemplo, foi criar uma marca a frente de seu tempo e para tal, lançou mão da quebra de tabus relacionados à homossexualidade, racismo, soropositivos, celibato, entre outros temas igualmente chocantes para a sociedade.

Criatividade à parte, um plano de Marketing completo, aquele utilizado pelas grandes empresas, é um documento que serve para a análise, planejamento, implementação e controle de vendas – é a parte mais importante do plano de negócios.

 



Na opinião do filósofo e sociólogo frankfurtiano Theodor Adorno, “enquanto negócios, seus fins comerciais são realizados por meio de sistemática e programada exploração de bens considerados culturais. Um exemplo é o cinema. O que antes era um mecanismo de lazer, ou seja, uma arte, agora se tornou um meio eficaz de manipulação. Portanto, podemos dizer que a Indústria Cultural traz consigo todos os elementos característicos do mundo industrial moderno e nele exerce um papel específico, qual seja, o de portadora da ideologia dominante, a qual outorga sentido a todo o sistema”.

Mas, já que nosso assunto é poesia, vamos focar na estratégia de marketing, mais precisamente no composto de marketing: os famosos 4 Ps (produto, preço, ponto de venda, promoção) que Philip Kotler imortalizou no mundo dos negócios. Para nosso melhor entendimento, trocarei o primeiro “P” de “produto”, por “P” de “poesia”.

 



POESIA (Produto)

Como todo produto disponível na praça, o fator qualidade é o que define seu sucesso (ou insucesso) com o passar do tempo – e na poesia não é diferente. Você pode utilizar a melhor estratégia de marketing, mas se sua poesia não for genuína, não tiver qualidade literária, comprometimento ideológico, estilo próprio, certamente não ficará muito tempo na mente e tampouco no coração de seus leitores.

Há alguns fatores a serem observados acerca das vantagens competitivas de sua poesia como:

- Competitividade poética: Sua poesia tem o poder de encantar alguém assim como uma boa música ou um bom filme?

- Seu diferencial poético: Sua poesia tem a sua cara ou é mais uma cópia dos poetas imortais?

- Comunicabilidade poética: Seu poema comunica sua poesia ao grande público?

- Disponibilidade: É fácil encontrar sua poesia na internet e em pontos de venda de livros?

Há algo importante a ser ratificado: ao falarmos sobre concorrência, não é uma incitação à competição entre poetas, muito pelo contrário. Trata-se de buscar um lugar ao sol nas prateleiras do cotidiano das pessoas. Apoiar outros poetas, fortalecendo a cena poética, é outra estratégia imprescindível para o desenvolvimento da cena poética contemporânea, criando um ambiente onde todos possamos trabalhar com nossa arte dignamente.

PREÇO

Como precificar o que não tem preço, como a poesia? Não colocando preço, oras. Na verdade, não é à poesia que estamos precificando, mas a todo o trabalho que tivemos para viabilizar o encontro dela com o público, que se beneficiará dela. É como no cinema: é preciso pagar as entradas para assistir o filme – e para que esse mercado seja autosustentável, concorda?

Para colocar preço em seu livro, por exemplo, observe os 3 Cs (custo, concorrência e o consumidor). O custo é a somatória do que você gastou com a impressão, capista, diagramador, revisor textual, somados à margem de lucro que você acha justo obter pelas horas de trabalho dedicadas ao projeto. Os preços praticados pela concorrência é outro fator a ser considerado para se obter uma média dos valores praticados no mercado; afinal, seria um tiro no pé vender um livro a preço de ouro (não que ele não valha) sendo que nem você, como consumidor, acharia justo pagar. O preço pago pelo consumidor está geralmente relacionado ao conceito do produto. Coloque-se no lugar de consumidor e pergunte-se: eu, sinceramente, pagaria esse preço nesse livro?

 

PONTO DE VENDA

Para garantir que sua poesia chegue até os leitores é preciso repensar os meios convencionais de divulgação e publicação de poesia. Se o produto for um livro, por exemplo, é preciso que ele esteja anunciado e disponível nos locais frequentados por seu público, não só em livrarias, mas em cafés, bares alternativos, algumas bancas de jornal, com livreiros ambulantes e, principalmente, na internet, para compras online e download grátis. Uma distribuição bem feita é o que garantirá maiores chances de vender seu produto.

PROMOÇÃO

A promoção é a forma de comunicação escolhida para seu produto chegar até seu público-alvo, podendo ser ela:

- Promoção de vendas: um incentivo à compra por meio de sorteios, brindes, adesivos, concursos culturais em sua página na internet.

- Propaganda: uma razão à compra por meio de anúncios impressos ou virtuais, divulgação no rádio ou na tv, catálogos e folhetos, videopoemas, vinhetas na internet precedendo seus vídeos.

- Relações públicas: serve para promover maior credibilidade e influenciar os futuros compradores por meio de palestras, seminários, workshops, mídias alternativas, doações para bibliotecas públicas, patrocínios, apresentações gratuitas à comunidade.

- Venda pessoal: serve para chegar ao consumidor antes mesmo que ele chegue à você, surpreendendo-o por meio de estandes em feiras literárias com a presença do poeta, apresentação em vídeo feita pelo próprio poeta, distribuição de poemas grátis, por exemplo.

- Marketing direto: serve para atrair novos consumidores de forma diferenciada, sob medida e por meio de mala-direta virtual ou via correios, telemarketing, fax, e-mail, compra eletrônica.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar